terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Nova viagem


Depois do primeiro acampamento em Sana, descobrimos que o tamanho da barraca é um detalhe muito importante para o conforto do acampamento. Então decidimos comprar uma barraca nova. Pesquisamos muitos modelos, tamanhos, marcas e preços. Procuramos mais informações em fóruns e em sites de reclamações e decidimos comprar uma barraca da marca Náutika, pela internet. A compra já estava decidida, mas queríamos ver pessoalmente como era a barraca. Sentir o material, para ficarmos mais seguros.
Encontramos-nos numa sexta-feira e fomos ao Carrefour. Lá só encontramos marcas desconhecidas e com preço alto, então voltamos para casa. Compramos apenas os ingredientes para eu fazer o doce de chocolate com coco que ele adora.
No dia seguinte decidimos ir ao Wal-Mart Manilha. Descemos em Alcântara para pegar o outro ônibus e Airton quis passear no Extra. Não entendo por que este menino gosta tanto de passear em mercados. E em todos os que vai, faz questão de perder alguns minutos na seção de camping. Graças a esta brincadeira, encontramos um colchão inflável muito barato. Compramos o colchão, dois travesseiros, a bomba para encher tudo e um canivete para ele brincar.

Com todo aquele peso, partimos para o Wal-Mart. Do lado dele tem um Carrefour e, claro, Airton quis ir lá. E mais uma vez o Carrefour mostrou que só vende barracas vagabundas e caras. Almoçamos no McDonald's e fomos para o Wal-Mart.
Gente, aquilo parece um mundo! Ficamos tão encantados com a quantidade de produtos que acabamos perdendo o foco e ficamos vagando entre as seções, até que um de nós lembrou: "ei, viemos ver barracas", e então fomos procurar.
E aconteceu a paixão à primeira vista. Encantamos-nos por uma barraca para três pessoas, da desconhecida marca Swissgear. Desconhecida mas se dizendo "a marca criadora do autêntico canivete suíço". Ora, uma marca suíça, criadora do canivete mais famoso do mundo não iria estampar seu nome num produto de baixa qualidade. Colocamos a barraca no carrinho e quando íamos continuar o passeio pelo mercado, vimos mochilas da mesma marca.
Mais uma vez, paixão à primeira vista. Ambos nos apaixonamos pelo modelo e pelo preço. R$ 79,90. Enquanto eu mexia na mochila para procurar algum defeito (ela não podia ser tão perfeita!), Airton começou a resmungar. Não tinha outra igual. O clima começou a ficar tenso. Ele dizendo que eu tenho três mochilas e não uso nenhuma, então não precisava de mais uma. Eu dizia que não usava as minhas porque não gostava de nenhuma delas, mas que tinha adorado aquela e ia usar sempre.
Perguntamos para três funcionários diferentes (provavelmente os únicos daquela loja do tamanho de um quarteirão), mas não havia outra mochila igual. Aquela era a última.
Para acabar com a briga, decidimos que ele usaria no dia a dia e eu usaria quando fôssemos acampar, já que ele já tem uma mochila cargueira gigante.

Voltamos para o corredor das mochilas. Ele disse que ia achar uma boa, para eu usar. Não achou. Voltamos a ver as barracas e uma estava com a caixa aberta. Resolvemos abrir a barraca para ver o material. A paixão aumentou. Fomos gostando de cada item que víamos: janela traseira, lugar para guardar os sapatos, cobertura grande, bem ventilada, dois bolsos internos e uma rede no teto, por dentro da barraca, que funcionava como uma prateleira e seria perfeita para colocarmos a lanterna. Confirmamos o preço (R$ 94) e decidimos: esta é a nossa nova barraca e vamos comprar agora, e não pela internet.
Já tínhamos decidido o que íamos comprar (exatamente o que fomos fazer lá), mas o passeio não tinha acabado ainda. Havia muito mercado para ser explorado, e continuamos passeando.
Neste passeio encontramos outra barraca, bem maior. A embalagem dizia que era para cinco pessoas, mas eu, particularmente, acho que cabia um time de futebol ali. Um pouco mais cara, mas não muito. A marca também era desconhecida, mas tinha uma cara boa. Não tinha o impacto de "a marca criadora do autêntico canivete suíço", mas parecia confiável. Pesava um pouco mais (três ou cinco quilos), mas talvez valesse à pena. Colocamos no carrinho junto com a menor, achamos uma mesa de jardim exposta para venda, nos sentamos nas cadeiras que faziam conjunto, colocamos uma caixa em cima da outra e começamos a comparar os prós e contras de cada.
Checamos cada item, cada especificação, cada característica e a dúvida ia aumentando. Passado muito tempo, argumentos, comparações, perguntas e respostas, o que mais chamava a atenção era o tamanho dela, aproximadamente 3,65m x 3,65m. Um universo, comparado com o nosso primeiro barraco, de 1,30m x 2m. Pedimos uma trena a um dos funcionários, para ter uma noção do que eram 3,65m.
Airton pediu para eu segurar a ponta da trena e começou a andar para longe de mim. Não chegamos a medir 3,65m, porque a trena tinha só 3m. Era o bastante. Precisei gritar para que ele me ouvisse:
- É a outra!
Ficamos pensando: imagina se estivéssemos numa loja comum, destas em que o vendedor te aborda assim que você passa em frente à porta. Qual seria o nível de raiva dele depois ficar quase trinta minutos olhando um casal altamente chato e exigente, discutindo qual barraca levar?
E, depois, a frustração dele quando visse que tudo se resolveria em um minuto se nós tivéssemos uma boa noção do que eram três metros! Por sorte os funcionários da loja não chegavam nem perto da gente. Pelo contrário, eles pareciam se esconder dos clientes.
Final das contas: compramos barraca, mochila, colchão, travesseiros, bomba e canivete. Chagamos em casa, cansados, mas tínhamos que montar e ver como seria. A ansiedade era demais.
Fomos para o quintal e montamos a barraca. Linda e grande, como imaginamos. Entramos e ficamos vendo como ela é por dentro, janelas, bolsos internos, e decidimos encher o colchão e ver como ficaria dentro da barraca. Muita disposição do Airton, encher o colchão foi cansativo, mas tivemos uma idéia do tamanho da barraca e do conforto que teremos no próximo acampamento.
Após isso, desmontar tudo e guardar.
Muito cansados, porém, muito bom ter tudo novo, esperando por mais um FDS maravilho. Agora, falta apenas o destino.

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário