quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Reclamações, perguntas e atropelamentos


Vejo tanta gente reclamando da vida. Meu coração chega a dar um nó cego. Eu sei que cada um tem a sua força e o que é um problemão para mim pode não ser para você. Sei que um indivíduo é diferente do outro, que cada um tem a sua fé, a sua bagagem emocional. Sei mesmo. Mas eu só queria que você soubesse que tem gente em uma situação pior que a sua. Que o ruim mesmo é não ouvir e sentir a barriga roncar e não ter o que comer. Que desesperador mesmo é ter uma doença grave e não ter condições de pagar um bom médico ou fazer um exame sem ter que esperar por meses em uma fila. Que triste mesmo é perder quem a gente ama. Que terrível é ver o filho chorando de fome e não ter dinheiro para comprar um pão no supermercado. Que agoniante é não ter onde morar, pra onde ir ou voltar. 

Quem sou eu para julgar a dor do outro? Ninguém. Não estou aqui para fazer julgamentos ou apontar um dedo no meio do seu nariz. O mundo já está cheio dessas pessoas - e eu também. Só quero que você pare um pouco para pensar: será que as coisas não estão sendo maximizadas? Precisa tanto? Esse assunto realmente tem importância? Esse problema realmente é tão cabeludo? 

Temos a triste tendência a achar que as coisas são complicadas. Na verdade elas não são. Tudo depende do meu olhar, do seu, do nosso. Tudo depende da forma como você está receptivo. Depende do otimismo, da vontade, da força, da fé. 

Sei que algumas situações são realmente preocupantes. Mas será que são tanto assim? Será que não temos a mania de supervalorizar coisas pequenas? Será que não nos deixamos levar pelo pessimismo que toma conta do mundo? Será que não estamos franzindo demais a testa e deixando os problemas subirem nas nossas costas até ficarmos corcundas e cansados?

Vale a pena pensar - hoje e sempre - no que estamos fazendo com o que somos. Você sabe de fato o que é? E o que faz com isso? Vale a pena o questionamento, a dúvida, a pulga atrás da orelha. Não podemos parar, senão o mundo nos atropela sem dó.

Clarissa Côrrea

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Quem te perguntou?



Realmente não entendo essa mania que algumas pessoas têm de querer dar palpite em tudo. Te perguntei? Então guarda os seus pensamentos para você. Ninguém quer saber. Todo mundo acha alguma coisa, tem algo para "contribuir" ou um conselho para dar para outra pessoa.

Fico incrivelmente atordoada com o número de gente que pensa que ser conselheiro e palpiteiro é bacana. Vou te contar um segredo: muitas vezes dizer o que a gente acha soa extremamente indelicado e inconveniente. Se estou te contando algo, apenas escute. Entenda que muitas vezes o outro só quer desabafar. Ele não quer ser julgado, nem que alguém apresente uma cartela de soluções. 

Vamos ser sinceros: a sabedoria de padaria não funciona num piscar de olhos. É fácil dizer como outra pessoa deve agir, afinal, você está do lado de fora da encrenca. Só vivendo o problema para saber exatamente o que fazer com ele.

Acho que você tem que agir assim e assado. Me desculpa, mas você não tem que achar nada. Você tem é que cuidar da sua vida, dos seus problemas, das suas coisas. Seria muito mais fácil viver em sociedade se cada um se preocupasse em fazer o que deve ser feito. Viver, na forma mais ampla da palavra. A própria vida, no caso. Quer ajudar alguém? Faça caridade. Tem um montão de gente precisando de comida, teto, artigos de higiene e vestuário. Quer ser útil? Faça um trabalho voluntário. Tem muita gente precisando de um afago, de atenção, de cuidado. Olha eu, aqui, dizendo o que você tem que fazer. Por favor, não me leve a mal, não quero me contradizer. Acho mesmo que cada macaco deve ficar e cuidar do seu galho. Mas se te faz falta ajudar, aconselhar, palpitar, por favor, gente precisando de ajuda é o que não falta. Basta visitar um asilo, um orfanato, um hospital. Querer ser útil é nobre e bonito. Mas sair palpitando por aí é ruim demais.

Raramente peço conselhos. Acho que consigo me entender com o tico, o teco e toda a turma. Ninguém sente o que sinto, ninguém mora dentro de mim. E entenda: aqui dentro é uma confusão. Só eu consigo entender coisas que são minhas, que estão guardadas a sete chaves, que estão perdidas no porão, que estão cheias de mofo e pó. Ninguém tem esse poder, apenas eu e minhas confusões. 

Não gosto quando alguém diz que tenho que fazer isso ou aquilo. Eu sei o que precisa ser feito, eu tenho o domínio da minha vida, eu sei o que aceito e o que não me desce pela garganta de forma alguma. Eu, eu, eu. Isso mesmo. De vez em quando a gente precisa se posicionar, encarar os fatos de frente e fazer um raio-x criterioso do que se passa lá dentro. É que ninguém enxerga o nosso avesso. 

Clarissa Côrrea

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

É simples, mas complicado



Eu tenho verdadeiro horror de quem não me conhece (ou me conhece há cinco minutos) e me chama de amiga. Pior ainda é quem força uma intimidade inexistente. Respeito e prezo muito o meu espaço, a minha vida.

Tem gente que adora estar rodeada de gente. Eu também gosto. Mas prefiro estar rodeada de três ou quatro pessoas verdadeiras do que uma multidão que assim que eu virar as costas vai marcar uma reunião pra falar da minha roupa, do meu cabelo, do meu peso ou do meu namoro.

Já convivi com diversas pessoas e entendi que o que é meu tenho que guardar pra mim. Não é legal abrir o livro da vida pra quem senta no bar pra rir e tomar umas e outras. Não dá pra jurar de pés juntinhos que Fulana é muy amiga. Ainda mais quando a dita cuja tem no currículo o tópico adoro-me-reunir-com-as-amigas-pra-falar-dos-outros.

Sinceramente, detesto que metam o bedelho na minha vida. Lembro que quando era mais nova vivia colada no telefone. Fulana, o que eu faço? Fulaninha, ele me disse tal coisa, o que será que eu digo agora? Fulaninha, hoje fiz luzes no cabelo. Fulaninha, comprei um vestido novo. Fulaninha, vou viajar para Trancoso. Olha, eu aprendi que a gente deve é ficar quieta. E que nem tudo deve e precisa ser compartilhado.

Aprendi a pensar sozinha. A decidir as coisas por mim. E, principalmente, a não perguntar o que o outro acha da minha atitude. Deve ser por isso que alguns amigos não entenderam e se afastaram. Devem ter colocado a culpa no meu relacionamento. As pessoas gostam muito disso: Fulana mudou porque arrumou namorado. Na verdade, muitas vezes ocorre o seguinte: você mudou porque Fulana está namorando. Você mudou porque Fulana não te liga a toda hora pra perguntar que cor de esmalte passa na unha. Você mudou porque agora a Fulana não sai mais de quinta a domingo. Você mudou porque a Fulana arrumou um emprego, uma casa e uma vida. Você mudou porque agora acha que não tem mais nada em comum com a Fulana. As pessoas têm a triste mania de colocar a culpa em cima de quem começou um relacionamento. E isso é errado.

O amigo de verdade entende que agora você não tem mais tanto tempo livre. E que, independente disso, continua sendo amigo. Que você pode contar com ele. Que você pode usar e abusar do ombro dele. Que você pode seguir rindo e chorando com ele. Só que agora não são mais dois. Na verdade, nunca foram dois. É sempre um. É sempre a gente. É sempre eu. É sempre você.

Eu não vivo sozinha, preciso dos meus amigos. É bem verdade que hoje não sou grudada em ninguém, só em mim. Mas acho que isso a maturidade me trouxe. Não que eu seja a super adulta, muito pelo contrário: vou ser uma eterna criança. Mas não preciso mais do palpite, conselho e aprovação dos amigos pra tudo, coisa que um dia precisei. Hoje eu decido por mim. Se brigo com meu namorado não corro para o telefone pedir um conselho para alguma amiga. Me resolvo com ele.

Acho a amizade entre os homens mais fácil. Não existe cobrança, não existe disputa, não existe cara feia, não existe nada disso. Eles se encontram, comem churrasco, tomam cerveja, jogam futebol e conversa fora. Dão gargalhadas e combinam de se ver no próximo mês. Já as mulheres estão sempre competindo. Cuidando as pontas duplas do cabelo da outra, cuidando um passo em falso, cuidando uma infelicidade escondida no olhar. Oi, ontem fui jantar com a Fulana. E aí? Ah, eu achei ela tão gorda, cheia de olheiras e ainda por cima usava uma bolsa surrada! Entende a diferença? Homem é mais sincero.

Um dia a gente acaba aprendendo que amizade não é grude. Já disse isso muitas vezes. Amizade não é grude. É você guardar pessoas especiais dentro do seu coração. É mostrar que a pessoa pode contar com você, não importa a hora nem o lugar, nem nada mais. É demonstrar o sentimento. E se o outro não der bola, tudo bem. Vai ver que não era amigo de verdade.


Clarisse Correa