domingo, 31 de julho de 2011

Viver e não ter a vergonha de ser feliz!

Eu te deixo ser. Deixa-me ser, então.
Clarice Lispector


Quando alguém tenta rotular-me baseado no que eu escrevo ou pelo que vê, eu limito-me a sorrir de maneira sarcástica e fico pensando na ingenuidade e/ou maldade das pessoas em acreditar que é possível saber quem sou.

Conhece-se aquilo que eu quero que seja conhecido. Conhece-se a face que eu desejo mostrar. Eu visto a cada manhã, a ‘máscara’ que eu desejo que seja vista pelos demais. Máscara não no sentido de ser falsa e sim que ninguém precisa saber o que acontece na minha vida, ninguém precisa saber dos meus choros, das minhas angústias, dos meus sentimentos. Limito-me a deixar a Melissa que sorri, a Melissa que se diverte e faz bem as outras pessoas.

É engraçado e interessante perceber quanto um sorriso incomoda. Tenho problemas e defeitos como todo mundo, apenas gosto de passar por isso tudo com alegria e acreditando sempre no melhor. Tudo, tudo que passamos gera aprendizado e é bom demais saber um pouquinho mais a cada ‘surpresa’ da vida.

Cada dia que passa, eu fico mais sábia, a cada pancada, um conhecimento a mais. A cada julgamento, aprendo a conhecer melhor as pessoas e decidir quem fica e quem vai passar pela minha vida.

Não sou melhor do que ninguém, longe de mim isso, odeio perfeição, se é que existe algo perfeito, apenas quero ver a vida e vivê-la da maneira que achar melhor.

E a cada novo rótulo que eu ganho, eu alargo meu sorriso e calmamente digo: Eu quero mais é ser feliz!

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Odeio pessoas monossilábicas!



Hoje não tô com muita paciência não.
Tem pessoas e pessoas, umas mereciam um puxão de orelha, para não dizer outra coisa, outras carinho e amor.
Mas voltando ao assunto... Tem coisa pior que pessoa monossilábica?
Puta que pariu, parece que estamos falando com as paredes.
Se ainda fosse uma fobia social, dislexia mental, depressão aguda ou até mioma, poderia ser aceitável, razoável até, mas não...
A pessoa às vezes nem olham para sua cara, e quando abre a boca para falar, sai apenas:
É, humrum, sim, verdade, verdade...
E olha que não é nem a conversa chata que leva a isso, são pessoas com problemas de bloqueio eu acho.

E on-line então?.
Você escreve, a maldita pessoa demora um século para responder e quando responde vem com aqueles malditos e desgraçados emoticons ou mandam risadas que não tem nada haver com o assunto.
Parecem uma vitrola com disco riscado (Ops! Desculpe, estamos no século XXI!), parecem cd´s manchados de óleo ou riscados que não trocam de faixa (melhorou?).

Exemplo:
- Oi
- Oiê
- Tudo bem com você?
- Td otimu xim
- Como foi o dia? (depois de quase 5 minutos...)
- ahhh fui na iskola hihihihi
- Hoje trabalhei pra caramba, cansadão, no fim de semana sai fui pra balada e tals, curti na medida do possível, e vc no fim de semana? (mais 5 minutos esperando...)
- Aparece um emoticon mandando ESPERA!


FAÇA-ME O FAVOR NÉ???
Além dos erros ortográficos, palavras rasuradas, ou seriam criptografadas? (hahuahua)

Parece que travou o cérebro e não usa para mais nada.
Com tanta informação, disponibilidade, opções e demais porcariadas que a maldita globalização trouxe, o cérebro atrofiou porra?

Isso que dá ouvir funk, axé, forró, sertanejo, pagode, música de emo, assistir Faustão, Gugu, novelas, Rebeldes, Malhação, etc e tal!

Não gostou da crítica a estas porcarias? Fazer o que?!
São lixos mesmo.
Antes de curtir algo, saibam de onde surgiram e porquê estão nas paradas de "XUXEXO"!
Tenho até medo de viver daqui 15 anos quando a maioria for o FUTURO DA NAÇÃO.

Como dizia o saudoso, único, inteligentíssimo e fodão Renato Russo: Geração Coca-Cola.
E olha que isso era dito em 1980... certas coisas não mudam!


*Quando você pressiona a combinação de teclas SHIFT + DEL no Windows, o comportamento esperado é que você está excluindo arquivos ou pastas permanentemente sem enviá-los para a Lixeira.

terça-feira, 19 de julho de 2011

Rindo à toa...


Um amigo diz que toda vez que eu sumo, ele fica tranqüilo porque sabe que estou bem. Engraçado, sempre achei um exagero dele, mas agora dou razão. Muitos dias sem escrever e muito bem, obrigada!

Sou uma resilente e me vi rindo hoje, passando por um boteco na rua, com uma música do Falamansa, rindo à toa.

Ha ha ha ha ha
Mas eu tô rindo à toa
Não que a vida
Esteja assim tão boa
Mas um sorriso ajuda a melhorar
Aah Aha

Existem alguns momentos de angústia por um futuro incerto, mas que graça teria se soubéssemos o que vai acontecer?

Então, vejo que cresci mais um pouquinho quando percebo que hoje eu sorrio do que me fez chorar.

Doeu, doeu, agora não dói
Não dói, não dói
Chorei, chorei
Agora não choro mais

Engraçado ver tanta gente me criticando, tanta gente julgando o que eu faço ou o que eu gosto, fica interessante em certos momentos. Muitas fotos sorrindo, me divertindo, vivendo! Mas tenho meus momentos de solidão como qualquer ser humano. E são necessários para que eu curta meus momentos de alegria com intensidade. E coloca intensidade nisso, rs!

Eu só mostro o que eu quero para cada um que passa pela minha vida, só possuem de mim o que merecem. É eu sei, algumas vezes dei mais de mim do que mereciam, mas c'est la vie. Na maioria das vezes a regra acima vale, porém como toda regra tem suas exceções. Erro para posterior aprendizado.

Fazendo um balanço, tenho mais momentos de felicidade do que o contrário então, posso me considerar satisfeita com a vida.

Sou como todo mundo, choro, rio, canto, danço, sofro, tenho angústia, sou alegre, sou triste... Só estou vivendo, mas vivendo da maneira que eu acho correto e não como querem que eu viva.

Então, toda vez que perceberem que eu sumi, só pensem: ela está feliz!

E cantando assim
Parece que o tempo voa
Quanto mais triste
Mais bonito soa
Eu agradeço por poder cantar
Lalaiá laiá laiá Iê

terça-feira, 5 de julho de 2011

Caminhos



Dando uma geral no meu notebook me deparei com estes fragmentos que escrevi no dia 20/03/2011:

Duas estradas, dois caminhos disponíveis, um eu quero, outro eu preciso. Um simples demais (sem amor), outro complicado demais (muito amor).

Amor vem com o tempo?

A dúvida é a mais cruel das insônias. Insônia, sendo resolvida com dose dupla de Rivotril.

Duas mãos, duas opções, ou uma agora, pois posso ter perdido o time.

O que fazer com uma dor que te atormenta, conviver com ela ou ter peito para mudar.

Semana passada ouvi que eu era hipócrita, que eu não sabia o que queria. Mas eu sei, eu sei o que eu quero pra mim, mas tá tudo tão confuso.

Seguir meu coração ou optar pelo caminho mais fácil?

Como a oração da serenidade, gostaria que você Deus, é você mesmo, me mostrasse, claramente o que tem que ser feito.

Caminho mais difícil ou caminho mais fácil?

Tenho consciência da dor nos dois caminhos, mas qual seguir?

Espero amanhecer com a resposta. É um desabafo. Sempre ouvi que procuramos Deus, na dor ou no amor, covardia minha pedir sua ajuda agora, depois de achar que eu poderia resolver tudo. Mas eu sou meio tapada, me acorda e me faz enxergar.

Último pedido: sei que pedes para amar sem esperar, mas agora, eu preciso de retorno.


Isso é um caso de emergência, me ajuda?

Lendo isso hoje, percebo meu exagero. Não que no momento não sentisse toda a intensidade daquelas palavras que eu passei para o texto, mas porque ficamos tão cegos quando gostamos de alguém? Porque deixamos de ver coisas evidentes?

Não possuía dois caminhos, possuía três, quatro... infinitos caminhos vendados pelo nome do que eu achava ser ‘amor’.

Neste exato momento eu percebo que tinham coisas bem mais importantes do que pensar com meu coração, peraí!!! Coração uma vírgula, coitado, ele já bombeia o sangue por todo nosso corpo e a gente ainda poe a culpa nele por todo nosso sofrimento? Vamos falar corretamente.

Neste exato momento eu percebo que tinham coisas bem mais importantes do que deixar meu cérebro contaminado com doses cavalares de Dopamina* me controlar. Percebo que sem esta ‘droga’ funciono bem melhor.

É uma desintoxicação realmente. Livrar-se das sensações gostosas que aquela ‘droga’ te dá. Euforia, alegria, viagem, ausência de dor...

Eu percebi claramente que temos vários caminhos ao terminar mais uma relação e senti uma das piores dores que poderia sentir, bem mais fortes do que ‘dor de amor’, que é a dor de ver minha liberdade ameaçada. Meu direito de ir e vir, fazer o que eu quero na hora que eu quero, que foi largar meu emprego.

Doeu, ainda dói e percebo que também não era um ‘caso de amor’ e sim mais um vício que eu preciso me libertar.

Então, vamos que vamos Melissa, mais uma desintoxicação pela frente, porém ciente de que na vida sempre temos diversos caminhos, só temos que definir o que realmente queremos.

Crise de abstinência, pode ate acontecer, mas aprendendo a cada dia mais usar a droga e não me viciar.


*Dopamina